Publicação fixa: Argumentos lógicos X tratados teológicos

Meus textos questionando o sistema religioso e as mentiras do cristianismo são sempre com argumentos de raciocínio lógico, porque para mim vale o que está escrito sem interpretações humanas, sem oráculos para traduzir o texto... Continue lendo.

domingo, 23 de abril de 2017

Holocausto - Nunca esqueceremos

Museu da Diáspora, em Israel

27 de janeiro - Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. Data instituída em 2005 pela Assembleia-Geral da ONU, marca o dia, em 1945, em que as tropas soviéticas libertaram os prisioneiros do campo de concentração Auschwitz, localizado no sul da Polônia, símbolo do Holocausto perpetrado pelo nazismo.

27 de Nissan (24abr2017) - Yom HaShoah, Dia da Lembrança do Holocausto. O dia 27 foi escolhido por ser oito dias antes da comemoração de Yom Ha'atzma'ut, ou Dia da Independência de Israel. O Yom HaShoah foi estabelecido em 1959 como lei em Israel, onde é feriado nacional.


"Eu não vou morrer" (Museu da Diáspora, Israel)
"Não morrerei; mas vivo ficarei para anunciar os feitos do Eterno." Sl118.17




Steven Spielberg faz filme de 15 min sobre Auschwitz

terça-feira, 18 de abril de 2017

Ano que vem em Jerusalém

Pessach! Celebremos nossa liberdade. Livres!

Pessach = libertação. Só que "é mais fácil tirar uma pessoa da escravidão do que tirar a escravidão de dentro da pessoa"Pessach = libertação. E Libertação é confissão de pecados.

"Nem uma unha ficará no Egito." Êx10.26

Ano que vem em Jerusalém.







Ilustrações retiradas da internet.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

O mito da caverna

#Pessach #Liberdade

Quanto mais me afasto da #caverna, mais consigo enxergar o quanto era enganada lá dentro. E é triste e dói tanto perceber que quanto mais pouquíssimos se afastam da caverna, mais a multidão caminha para dentro do sistema e continua sendo enganada pelas mentiras que os líderes da caverna ensinam... "Voltaria para a caverna para passar todo conhecimento adquirido fora da caverna para seus colegas ainda presos. Porém, seria ridicularizado..."

"O mito fala sobre prisioneiros (desde o nascimento) que vivem acorrentados numa caverna e que passam todo tempo olhando para a parede do fundo que é iluminada pela luz gerada por uma fogueira. Nesta parede são projetadas sombras de estátuas representando pessoas, animais, plantas e objetos, mostrando cenas e situações do dia-a-dia. Os prisioneiros ficam dando nomes às imagens (sombras), analisando e julgando as situações.Vamos imaginar que um dos prisioneiros fosse forçado a sair das correntes para poder explorar o interior da caverna e o mundo externo. Entraria em contato com a realidade e perceberia que passou a vida toda analisando e julgando apenas imagens projetadas por estátuas. Ao sair da caverna e entrar em contato com o mundo real ficaria encantado com os seres de verdade, com a natureza, com os animais e etc. 

Recordando-se então de sua primeira morada, de seus companheiros de #escravidão e da ideia que lá se tinha da sabedoria, não se daria os parabéns pela mudança sofrida, lamentando ao mesmo tempo a sorte dos que lá ficaram? E se na caverna houvesse elogios, honras e recompensas para quem melhor e mais prontamente distinguisse a sombra dos objetos, que se recordasse com mais precisão dos que precediam, seguiam ou marchavam juntos, sendo, por isso mesmo, o mais hábil em lhes predizer a aparição, cuidas que o homem de que falamos tivesse inveja dos que no cativeiro eram os mais poderosos e honrados? Não preferiria mil vezes, como o herói de Homero, levar a vida de um pobre lavrador e sofrer tudo no mundo a voltar às primeiras ilusões e viver a vida que antes vivia?Voltaria para a caverna para passar todo conhecimento adquirido fora da caverna para seus colegas ainda presos. Porém, seria ridicularizado ao contar tudo o que viu e sentiu, pois seus colegas só conseguem acreditar na realidade que enxergam na parede iluminada da caverna. Os prisioneiros vão chamá-lo de louco, ameaçando-o de morte caso não pare de falar daquelas ideias consideradas absurdas." (trechos de "O mito da caverna", de Platão, Sua Pesquisa)

Maurício de Sousa

Êxodo no Google - Pessach

Pessach sameach! Feliz Pessach!

"Por que esta noite é diferente de todas as outras noites?"



domingo, 9 de abril de 2017

Pessach (Páscoa) e Chag HaMatsot (Pães Asmos)

14-22/Nissan (10-18abr2017)

"Estas são as festas fixas do Eterno, as reuniões sagradas que vocês proclamarão no tempo devido: a Páscoa do Eterno, que começa no entardecer do décimo quarto dia do primeiro mês. No décimo quinto dia daquele mês começa a festa do Eterno, a festa dos pães sem fermento; durante sete dias vocês comerão pães sem fermento. No primeiro dia façam uma reunião sagrada e não realizem trabalho algum. Durante sete dias apresentem ao Eterno ofertas preparadas no fogo. E no sétimo dia façam uma reunião sagrada e não realizem trabalho algum." Levítico23.4-8

Leia também: Festas bíblicas